• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Trabalhadoras terceirizadas e trabalhadores terceirizados aprovam CCT

De acordo com Sindiserviços, a categoria conquistou o maior reajuste salarial no DF

Publicado: 07 Janeiro, 2021 - 12h22 | Última modificação: 07 Janeiro, 2021 - 12h35

Escrito por: Leandro Gomes

Ana Regina Bering
notice
Trabalhadoras terceirizadas e trabalhadores terceirizados aprovam Convenção Coletiva de Trabalho

Na tarde dessa quarta-feira (6), as trabalhadoras terceirizadas e os trabalhadores terceirizados do DF aprovaram, por ampla maioria, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. A mobilização do grupo, que é organizado pelo Sindiserviços-DF − sindicado que representa a categoria −, conquistou reajuste salarial de 4,10%. Isso significa que, a partir de 5 de fevereiro, os salários das trabalhadoras e dos trabalhadores serão de R$ 1.287,96 e o tíquete-alimentação de R$ 35,00.

A assembleia que aprovou a CCT contou com a participação da CUT-DF e de diversas entidades. Entre elas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviço (Contracs-CUT), Sindicato dos Trabalhadores Bombeiros Profissionais (SindBombeiros/DF), Sindicato de Limpeza Urbana (Sindlurb-DF) e outras.

Dieese

Técnicos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) destacaram que o fechamento da Convenção da categoria foi satisfatório. Principalmente, se levar em consideração as dificuldades que a classe trabalhadora está enfrentando em outras localidades, o atual quadro econômico e a ausência de políticas públicas.

A presidente do Sindiserviços-DF, Maria Isabel Caetano dos Reis (Dona Isabel), destacou que as negociações com os patrões foram bastante difíceis. De acordo com a dirigente, houve grande resistência por parte do patronal em conceder os reajustes.

Ela ressaltou ainda que foi necessário muita luta para impedir que os patrões retirassem as principais cláusulas da CCT. Entre as claúsulas ameaçadas, estavam as que garantem o emprego e a saúde da trabalhadora e do trabalhador.

Agora, a CCT segue para registro.

Fonte: CUT-DF com informações do Sindserviços