• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Grupo de estudos debate obra de  Carolina Maria de Jesus

O grupo debaterá o livro Quarto de Despejo: Diário de uma favelada, a partir do dia 2 de março

Publicado: 19 Fevereiro, 2021 - 10h20 | Última modificação: 19 Fevereiro, 2021 - 10h27

Escrito por: Leandro Gomes

notice

Estão abertas as inscrições para o 2º Ciclo de Debates do grupo de estudos coordenado pela Secretaria de Combate ao Racismo da CUT-DF. Dessa vez, as trabalhadoras e os trabalhadores debaterão o livro "Quarto de Despejo", de Carolina Maria de Jesus. Os interessados podem se inscrever até 26 de fevereiro pelo WhatsApp (61) 9944-3007 − Clarice. A discussão da obra iniciará no dia 2 de março, às 19h, pela plataforma Zoom.

De acordo com a secretária de Combate ao Racismo da CUT-DF, Samantha Sousa, a obra e a autora analisadas são bastantes significativas para a discussão.  "Trata-se de uma mulher negra, favelada que, apesar dos obstáculos impostos, conseguiu vencer e nos entregou essa obra grandiosa. Vale lembrar que no dia 8 de março cé o Dia Internacional da Mulher, o que torna essa discussão ainda mais relevante. Por isso, é importante a participação de todas e de todos", disse.

A autora

Carolina Maria de Jesus nasceu em 14 de março de 1914,  em Sacramento, Minas Gerais. Negra, favelada  e filha de pais analfabetos, Carolina começou a estudar só aos sete anos, mas em pouco tempo aprendeu a ler e a escrever.

Uma das primeiras escritoras negras do Brasil e uma das mais importantes do país, a autora viveu boa parte de sua vida na favela do Canindé, na Zona Norte de São Paulo, sustentando a si mesma e seus três filhos como catadora de papéis.

Quarto de Despejo: Diário de uma favelada é resultado de 20 cadernos de anotações com testemunhos sobre o cotidiano da favela. Publicada em 1960, a obra vendeu mais de 100 mil exemplares em 40 países e foi traduzida para 13 idiomas.

Carolina morreu no dia 13 de fevereiro de 1977, aos 62 anos, de insuficiência respiratória.